Reunião da guilda (17/02)

Olá Dragões 😀

Ontem, dia 17/02, houve reunião da guilda em Darnassus, às 21h30min no horário de Brasília. Muito assuntos importantes para a melhoria da guilda foram tratados hoje. Devido aos feriados, Não houve promoção na guilda.

 

WoWScrnShot_021713_232348

 

A reunião foi presidida por Mysta, onde a mesma ao iniciar a reunião, abriu espaço para que os membros apontassem aquilo que estavam lhe incomodando ou mesmo, prejudicando o funcionamento da guilda.

WoWScrnShot_021713_232339

Muitos fatos foram levantados, principalmente sobre a falta de respeito que alguns membros têm com os outros dentro do jogo. Muitas vezes essa falta de respeito vem de players que se julgam melhores e mais fortes, destratando pessoas que estão sempre presentes e que ajudam sempre que são solicitadas, ou quando esses players estão off, alguns falam desses membros no chat da guilda.

Em um lugar onde existem varias pessoas com ideias e personalidades diferentes, é normal que aconteçam alguns desentendimentos e também, ninguém é obrigado a gostar ou muito menos, agradar a todos, mas é dever de todos respeitar cada um dos membros, sendo eles low lvl ou não.

Cada um tem um jeito único de jogar, onde interagem da forma que acham melhor com cada char que possuem na conta, encontram os atributos que lhe ajudam mais, equipes entre outras coisas.

O respeito e a educação são a base de tudo, com todos se respeitando, a guilda continua sendo um ótimo lugar para todos nós continuarmos jogando e nos divertindo como sempre.

Para resolver esse problema, foi decidido que se algum membro lhe ofender ou mesmo se você ver alguém ofendendo outra pessoa, mande um mail para o Barenn, Viajante ou Askr. Se desejar, tire um print para mostrar aos lideres o que está acontecendo.

 

Pensem nisso^^

Bom jogo a todos^^

Peço desculpa pelos prints estarem meio embaçados, meu wow está sendo rodado no minimo.

 

Anúncios

Reunião 03/02 e 10/02

Olá Dragões^^

Primeiramente, gostaria de me desculpar com vocês pelo tempo que estive meio ausente e por consequência, não ter mantido o blog atualizado.

IMG_03022013_215706

No domingo, dia 03/02 houve reunião da guilda na capela localizada em guilneas (pra quem já fez um worgen, é na capela onde você se esconde na água para ouvir a Silvannas falando) as 22h no horário de Brasília.

IMG_03022013_220238

Nessa reunião, alguns membros foram merecidamente promovidos, pelo seu trabalho e dedicação ao restante da guilda.

  • Razzarac
  • Sagaz
  • Soulshaman, a campeão púrpura
  • Vinnen a cavaleiro nobre
  • Trollolloo a capitão armeiro

IMG_03022013_220603

Parabéns a todos^^

No dia, 10/02 houve reunião da guilda na magnífica cidade de Dalaran, as 21h no horário de Brasília.

IMG_10022013_215926

Nesta reunião foram discutidos alguns eventos da guilda e a promoção de um membro: Gärou  foi promovido a soldado Púrpura, Parabéns ^^

Os eventos decididos para aquela semana foram:

  • ICC 10 man: segunda 15h e um grupo a noite 19h
  • Firelands: sábado 21h

IMG_10022013_215047

“Que Elunia te proteja”

Bom jogo a todos^^

Homenagem Blizz: Caylee Dak

Olá Dragões,

Como muitos devem saber, a blizz coloca dentro jogo varias homenagens, seja ela em forma de npc, como a homenagem feita ao criador do wowhead ou em forma de sepulcros, como o tumulo de Tony stark (o mesmo nome do homem de ferro), ele era amigo de um funcionário da blizz.

 

Caylee-Dak_wow

 

A homenagem que trago hoje (talvez seja uma das mais triste), é de um  rapaz chamado Dak Krause, 28 anos que faleceu em agosto de 2007 em decorrência de uma leucemia.  Quando o rapaz  veio a falecer, os membros de sua guilda enviaram um pedido para blizz mostrando o quanto ele era querido por todos.

A blizzard homenageou o rapaz colocando seu char em Shattrat , do lado da facção dos aldor. O npc incluído no jogo está da mesma forma que seu dono deixou, incluindo o pet que usava.

Esse npc , também finaliza uma quest: Poema de Alícia, que é iniciada em stormwind (Vento Bravo) com o npc Alícia. (http://pt.wowhead.com/quest=11451).

A missão pede que você leve um item a Caylee, pois Alicia é muito nova e não pode levar. Esse item pode ser lido, é um poema. (http://pt.wowhead.com/item=34089#objective-of)

 

Poema de Alícia

Meu túmulo não quer choro ou desesperança

Meu ser é outro, ele não descansa

 

Eu sou a neve branca cortada por mil ventos

Na Nortúndria gelada e suas vidas sem alentos

 

Eu sou a chuva que banha frugal

O Cerro Oeste e seu dourado centeal

 

Eu sou o silêncio da manhã sobre a selva

Que cobre de orvalho o espinhaço e a relva

 

Eu sou o trovejar dos cascos e dos tambores

Nas cachoeiras de Nagrand numa orquestra de clamores

 

Eu sou as estrelas que iluminam os paços

E o sono dos elfos em Darnassus

 

Eu sou dos pássaros o som

Eu sou tudo o que há de bom

 

Meu túmulo não quer a lágrima que lhe escorre

Meu ser é outro. Ele não morre.

 

Após entregar essa quest, o npc mostra esse poema sempre que você desejar.

Apesar de muito triste a historia, a blizz deu um jeitinho de seus companheiros matarem a saudades de Dak .

Nos próximos posts pretendo apresentar outras homenagens da Blizz que vocês nem imaginam que existem (pelo menos alguns não devem nem saber que existem).

 

Bom jogo a todos^^

By: Shar

Reunião da guilda (27/01)

Olá Dragões^^

A reunião da guilda foi realizada no ultimo domindo, dia 27 de janeira, na Praia da Tartaruga que fica localizada na Selva de Krasarang as 21h no horário de Brasilia.

TFR1A76.tmp

 

Durante essa reunia foram discutidos vários pontos, como core, eventos, PVP entre outros.  Uma das ideias foi colocar um core no final de semana também, pois as aulas vão começar para a maioria dos membros da guilda.

Todas as ideias foram ouvidas e com o passar do tempo e disponibilidade de dos membros, elas serão colocadas em pratica.

 

TFRADB1.tmp

 

Durante essa reunia foram discutidos vários pontos, como core, eventos, PVP entre outros.  Uma das ideias foi colocar um core no final de semana também, pois as aulas vão começar para a maioria dos membros da guilda.

Todas as ideias foram ouvidas e com o passar do tempo e disponibilidade de dos membros, elas serão colocadas em pratica.

TFR3F9.tmp

 

Após a promoção, foi decidido os eventos da semana, sendo eles:

  • Terça-feira: Galerias de Mogu’shan (21h15)
  • Quarta-feira: Caça aos Dragões (21h)
  • Quinta- feira: Galerias de Mogu’shan (21h15)
  • Sexta-feira:  Treino de guerra (21h)
  • Sabado: Icc 10 man (20h)
  • Domingo: Trono dos quatro ventos (15h)

 

TFRDD8D.tmp

 

Terminamos a reunião com os membros tirando PVP^^

 

Bom jogo a todos^^

 

 

 

 

 

 

 

World of WarCraft: Arthas: Rise of the Lich King

Olá Dragões^^

Como a segunda lore do blog, postarei o epílogo traduzido do livro World of WarCraft: Arthas: Rise of the Lich King.

arthas-before-and-after

Ao final do livro, Arthas quebra o gelo e coloca o elmo em sua cabeça, ele fica paralisado sentindo o espírito de Ner’zhul entrando em seu corpo, ele se prepara para uma luta onde o premio seria seu próprio corpo, mas não houve luta, apenas uma fusão, até que seus sábios se mexeram e ele fala “Agora… nós somos um”.

O epílogo mostra o que acontece na mente de Arthas momentos antes dele acordar como o Lich King (Lich Rei).

Arthas-Lich-King-DSP-BL-02

Epílogo: o Lich King (Lich Rei)

O mundo azul e branco na visão borrada do sonho de Arthas. O frio, cores puras mudaram, mudou para os tons quentes de madeira e fogo – e luzes de tochas. Ele tinha feito como ele disse que faria, ele se lembrava de sua vida, tudo o que tinha feito antes, tinha novamente andado no caminho que o levou para a sede do Frozen Throne (Trono de Gelo) e neste profundo, profundo estado de sonho.

Mas o sonho não acabou ao que parece. Ele sentou-se novamente no topo da mesa, muito bem esculpida que ocupava a maior parte deste Grande Salão (Great Hall) ilusório.

E os dois tinham tanto interesse em seu sonho que ainda estavam lá, observando-o.

O orc à sua esquerda, idoso, mas ainda poderoso, procurou seu rosto, e então começou a sorrir, o gesto esticou a imagem do crânio branco pintado em seu rosto. E à sua direita, o menino – magro e doente – parecia ainda pior do que Arthas se lembrava dele olhando, quando ele entrou no sonho de recordação.

O menino lambeu os lábios pálidos e rachados, e respirou fundo, como se fosse falar, mas foi o orc cujas palavras quebraram o silêncio primeiro.

“Há muito mais”, prometeu.

Imagens lotavam a mente de Arthas, entrelaçando e deitando umas sobre as outras em lampejos que emaranhavam o futuro e o passado. Um exército de seres humanos a cavalo, carregando a bandeira de Stormwind (Vento Bravo)… lutando ao lado de, e não contra, um grupo de Horda montados sobre lobos rosnando. Eles eram aliados, atacando a Scourge juntos. A cena se deslocou, mudou. Agora, os seres humanos e orcs estavam atacando uns ao outros – e os mortos-vivos, alguns gritando ordens e lutando com mentes que eram claramente as suas próprias – estavam ombro a ombro com os orcs, estranhos homens – aspectos de touros – e trolls.

Quel’Thalas- intacta? Não, não, não foi à cicatriz que ele e seu exército havia deixado, mas a cidade estava sendo reconstruída …

Mais rápido agora as imagens eram derramadas em sua mente, vertiginosas, caóticas, desordenadas. Era impossível distinguir o passado do futuro agora. Outra imagem, a de dragões esqueléticos destruindo abaixo uma cidade que Arthas nunca tinha visto antes –  um lugar quente e seco cheio de orcs. E – sim, sim era própria Stormwind que agora estava sob ataque dos dragões mortos-vivos.

Nerubians – não, não, não as pessoas de Anub’arak, mas de parentesco com eles, sim. A corrida no deserto, lá estavam. Seus servos eram criaturas gigantescas com as cabeças de cães, golens feitos de obsidiana, que atravessam as arquibancadas amarelas brilhantes.

Um símbolo apareceu, um Arthas conhecia – o L de Lordaeron, empalado por uma espada, mas mostrado em vermelho, não azul. O símbolo mudou, tornou-se uma chama vermelha sobre um fundo branco. A chama parecia despertar para uma vida própria e tomou conta do fundo, queimando-o para revelar as águas prateadas de uma vasta extensão de água … um mar …

…Algo estava agitando logo abaixo da superfície do oceano. Até então – a  superfície lisa começou a se agitar freneticamente, fervilhando, como se fosse uma tempestade, embora o dia estava claro. Um som horrível que Arthas apenas o reconhecia vagamente  como um riso agredindo seus ouvidos, junto com os gritos de um mundo arrancado de seu lugar, arrastado para cima para enfrentar a luz do dia que não tinha visto em incontáveis séculos ​​…

Verde – tudo era verde, sombrio e apavorante, imagens grotescas dançando no canto da mente de Arthas apenas para arremessa-las longe antes que pudessem ser agarradas firmemente. Houve um breve vislumbre, que se foi –  chifres? Um veado? Um homem? Era difícil dizer. Esperança que caia sobre a figura, mas havia forças empenhadas em destruí-lo…

As montanhas ganharam vida própria, dando passos gigantes, esmagando tudo que fosse azarado o suficiente para cruzar seu caminho. A cada passada gigantesca, o mundo parecia tremer e tremer.

Frostmourne. Esta, pelo menos ele conhecia, e intimamente. A espada girou em cambalhotas, como se Arthas fosse atirado no ar. A segunda espada subiu para enfrentá-lo – longa, deselegante, mas poderosa, com o símbolo de uma caveira embutido em sua lâmina temível. Um nome – “Ashbringer”, uma espada e muito mais do que uma espada, assim como Frostmourne. As duas colidiram.

Arthas piscou e balançou a cabeça. As visões, caídas, caóticas, animadoras, e perturbadoras se foram.

O orc riu, o crânio pintado no rosto se alongou com o gesto. Ele já havia sido nomeado Ner’zhul, uma vez teve um verdadeiro dom visionário. Arthas não duvidava de que tudo o que ele tinha visto, embora mal conhecesse, teria de fato acontecido.

“Muito mais”, repetiu o orc ,” mas apenas se você continuar a trilhar totalmente este caminho.”

Lentamente, o cavaleiro da morte virou sua cabeça branca para o menino. A criança doente encontrou-o com um olhar que era surpreendentemente claro e, por um momento, Arthas sentiu algo dentro dele se mexer. Apesar de tudo – o  rapaz não iria morrer.

E isso significava…

O menino sorriu um pouco, e um pouco da doença se dissipou enquanto Arthas lutava pelas palavras. “Você… sou eu. Você é tão… eu. Mas você…” Sua voz era suave, tingida com admiração e descrença. “Você é a pequena chama que queima dentro de mim ainda, que resiste ao gelo. Você é os últimos vestígios de humanidade, de compaixão, da minha capacidade de amar, de sofrer… se importar. Você é o meu amor por Jaina, meu amor por meu pai … por todas as coisas que me fizeram o que eu era antes. De alguma forma, Frostmourne não levou tudo. Eu tentei me afastar de você … e eu não conseguia. Eu – não consigo “.

O menino dos olhos verde-mar (verde azulado*) brilharam e ele deu a seu outro eu um sorriso trêmulo. Sua cor melhorou, e diante dos olhos de Arthas, algumas das pústulas em sua pele desapareceram.

“Você entende, agora. Apesar de tudo, Arthas, você não me abandonou”. Lágrimas de esperança estavam em seus olhos e sua voz, apesar de mais forte agora do que estivera, tremia de emoção. “Deve haver uma razão. Arthas Menethil … você já fez muito mal, mas há bondade em você ainda. Se não houvesse nada … eu não existiria, nem mesmo em seus sonhos. ”

Ele escorregou da cadeira e caminhou lentamente em direção ao cavaleiro da morte. Arthas permaneceu quando ele se aproximou. Por um momento, eles consideraram um ao outro, a criança e o homem que ele se tornou.

O menino estendeu os braços, como se ele estivesse vivo, uma criança respirando, pedindo para ser apanhada e detida por um pai amoroso. “Não deve ser tarde demais”, disse ele calmamente.

“Não”, Arthas disse baixinho, olhando embevecido para o menino. “não é”.

Ele tocou a curva do rosto do rapaz, deslizou a mão por baixo do queixo pequeno e inclinou seu brilhante rosto. Ele sorriu para seus próprios olhos.

“Mas isso é.”

Frostmourne desceu. O menino gritou, chocado, traído, um grito angustiado –  do vento furioso lá fora –  e por um momento Arthas o viu de pé, a lâmina enterrada no peito quase tão grande quanto ele, e sentiu um tremor final de remorso, ele encontrou seus próprios olhos.

Em seguida, o garoto foi embora. Tudo o que restou dele foi o lamento amargo do vento vasculhando a terra atormentada.

Se sentiu … maravilhoso. Foi apenas com a morte do menino que Arthas realmente percebeu o quão terrível estes últimos esforços do fragmento de humanidade foram. Ele se sentia leve, potente, purgado. Desengordurado, como Azeroth logo seria. Tudo a sua fraqueza, a sua suavidade, tudo o que já tinha feito hesitar ou duvidar de si mesmo, tudo foi embora, agora.

Havia apenas Arthas, Frostmourne, quase cantando por ter reivindicado a parte final da alma de Arthas, e o orc, cujo crânio-facial foi dividido com o riso triunfante.

“Sim!” O orc alegre, rindo quase maníaco. “Eu sabia que você iria fazer esta escolha. Por muito tempo você tem lutado com a última escória da bondade, da humanidade em você, mas não mais. O menino tinha você de volta, e agora você está livre”. Ele agora tem a seus pés, seu corpo ainda que de um orc de idade, mas se movendo com a facilidade e fluidez do jovem.

“Nós somos um, Arthas. Juntos, somos o Lich King (Lich Rei). Não mais Ner’zhul, não mais Arthas – somente este ser glorioso. Com o meu conhecimento, nós podemos –“.

Seus olhos se arregalaram quando a espada o empalou.

Arthas se adiantou, mergulhando o reluzente, fome Frostmourne cada vez mais o sonho-estar que uma vez tinha sido Ner’zhul, em seguida, o Rei Lich, e logo estava a ser nada, nada mesmo. Ele deslizou o outro braço ao redor do corpo, pressionando os lábios tão perto da orelha verde que o gesto era quase íntimo, tão íntimo quanto o ato de tirar uma vida sempre foi e sempre seria.

“Não”, Arthas sussurrou. “Não nós. Ninguém me diz o que fazer. Eu tenho tudo que eu preciso de você, agora o poder é meu e só meu. Agora há apenas Eu. Eu sou o Lich King (Lich Rei). E eu estou pronto”.

O orc estremeceu em seus braços, atordoado com a traição, e desapareceu.

 

A xícara quebrou quando caiu de repende das mãos sem força de Jaina. Ela engasgou, momentaneamente incapaz de respirar, o frio da umidade, o dia cinzento  esfaqueando a inteira. Aegwynn estava lá, com as mãos calejadas fechadas em Jaina.

“Aegwynn- Eu – o que aconteceu?” Sua voz estava grossa, angustiada, e de repente lágrimas encheram seus olhos, como se estivesse de luto muito pela perda de algo…

“Não é sua imaginação”, Aegwynn disse severamente. “Eu senti isso também. Quanto ao que – bem , eu tenho certeza que vamos descobrir”.

 

Sylvanas começou como se o demônio gigantesco na frente dela tivesse a atingido. O que, claro, ele nunca se atreveria a fazer. Varimathras estreitou os olhos brilhantes.

“Minha senhora? O que é isso?”

Ele.

Foi sempre ele.

As luvas de Sylvanas fecharam e se abriram. “Algo aconteceu. Algo a ver com o Lich King. Eu – o sinto”. Já não havia uma ligação entre eles, pelo menos não uma em que ela estava sob seu controle. Mas talvez algo hesitado. Algo que a advertiu.

“Precisamos intensificar os nossos planos”, disse ela a Varimathras. “Eu acredito que o tempo de repente se tornou um bem precioso.”

 

Por muito tempo, ele não sentiu nada. Ele permaneceu no trono, imóvel, esperando, sonhando. O gelo veio para cobri-lo quando ele se sentou imóvel como uma pedra, mas não uma prisão, não, uma segunda pele.

Ele não sabia então o que ele estava esperando, mas agora ele fez. Ele tinha tomado os passos finais em uma jornada que começou há muito tempo, começou no dia em que a escuridão pela primeira vez pintou seu mundo em forma de um choro, o jovem principe de Stormwind em luto por seu pai. O caminho o levou através de Azeroth, para Northrend, para esta Frozen Throne e céu aberto. Para a busca de seu eu mais profundo, e as escolhas para assassinar tanto o inocente que o deteve e as partes de si mesmo que o moldaram.

Arthas, o Lich King, sozinho em sua glória e poder, abriu os olhos devagar. O gelo rachou a partir dai com um gesto, e caiu em cacos pequenos, como lagrimas congeladas. Um sorriso formou sob o elmo ornamentado que cobria seu cabelo branco e pele pálida, e mais gelo caiu em seu despertar, caindo de forma lenta, fragmentos de uma casulo de gelo que não era mais necessário. Ele estava acordado.

“Começou.”

 

A partir daqui, vem a cinematic onde o lich King acorda.

 

(*) algumas pessoas traduzem esse verde-mar como um azul esverdeado, porém ao pesquisar um pouco mais sobre a cor, decidi traduzi-la como verde azulado.

 

Espero que gostem tanto da lore do Arthas quanto eu xD

“Que seus dias sejam longos e suas adversidades poucas”

Bom jogo a todos^^

By: Shar 🙂

Guia Galerias Mogu’Shan (Mogu’Shan Vaults) Parte 1

Olá Dragões^^

Para ajudar a guilda na raide de Mogu’shan traduzi o guia postado no site: http://www.icy-veins.com/mogu-shan-vaults-raid-wow.

As galerias de Mogu’shan

Mogu’shan é uma raide, introduzida na expansão World of Warcraft: Mists of Pandaria. A raide está disponível em 10 e 25 pessoas, bem como no formato LFR (Localizador de raides).  Tanto em 10 como em 25 podem ser realizados no modo normal ou heróico.

A raide integra o Tier 14, em termos de progressão PvE, e dispõe-se como a raide inicial da expansão Mists of Pandaria.

A raide abriga seis bosses, acessíveis somente em suas respectivas ordem.

  • Sentinela Pétrea
  • Feng, o Amaldiçoado
  • Gara’jal, o Atador de Almas
  • Espectros dos Reis
  • Elegon
  • Vontade do Imperador

A Sentinela Pétrea é o primeiro encontro da raide. Este é um encontro no estilo conciliador, que atua como uma boss guardião. Ele irá testar a capacidade da sua raide em lidar com a mecânica básica e executar uma estratégia, relativamente, simples.

Os próximos dois bosses são Feng, o Amaldiçoado e Gara’jal, o Atador de Almas. O Feng é uma luta bem simples com três fases, enquanto Gara’jah lembra muito o modo heroico de Valiona e Theralion, em Bastião do Crepúsculo, exige que sua raide execute tarefas simultâneas em dois reinos diferentes.

O Espectros dos Reis, o próximo boss, é outra luta no estilo concilidor. Ele tem varias mecânicas interessantes e inovadoras que certamente irão mantê-los em seus assentos.

O penúltimo boss, Elegon, tem uma notável semelhança com Algalon, em Ulduar. O encontro é de extrema complexidade, que contém muitas habilidades como a luta contra Alysrazor, em Firelands, talvez mais. No entanto, com uma boa execução, é de maneira nenhuma um desafio insuperável.

A vontade do Imperador é o encontro final da raid. Este é um encontro complexo e longo, onde você será atacado varios tipos diferentes de adds, antes de finalmente se envolver Qin’xi e Jan’xi, os dois bosses reais.

Note que as galerias Mogu’shan, pelo menos neste momento, não parecem desempenhar qualquer papel na quest lendária do Tier.

Sentinela Pétrea

Este guia destina-se a fornecer uma descrição completa do encontro com a Sentinela Pétrea em Galerias Mogu’shan. Ele é voltado para quem deseja entender a mecânica de luta.

Este guia é atualizado para World of Warcraft MoP 5.1.

A Sentinela Pétrea é o primeiro Boss da raide Galerias Mogu’shan. É o primeiro encontro mais provável que você terá nas raides tir 14, e enquanto suas mecânicas, não são demasiadamente complexas, ainda são bastante desafiadoras.

Em modo normal, a luta vai testar, principalmente, a capacidade da sua raid de mudar targets e reagir a mecânicas simples, tudo isso mantendo uma cura sólida.

  1. Informações gerais

Dificuldade

Boss Hp

Tempo enrage

Composição da raid

Tankers

Healers

Dps

10 man

130M

7 minutos

2

2-3

5-6

10 man HC

235M

7 minutos

2

3

5

25 man

365M

7 minutos

3

6-7

15-16

25 man HC

769M

7 minutos

3

6

16

LFR

212M

desconhecido

2

6

1

2. Loot

Exclui da tradução os loots desse boss, mas eles podem ser conferidos no site: http://pt.wowhead.com/npc=60047#drops:mode=normal10

3. Resumo da luta

Este encontro consiste em uma única fase que se repete até que você derrotar os quatro Guardiões Quilen que compõem a Sentinela Pétrea.

  • Guardião de Ametista (sombra)
  • Guardião de Cobalto (arcano)
  • Guardião de Jade (natureza)
  • Guardião de Jaspe (fogo)

Os guardiões compartilham a mesma quantidade de vida, e cada guardião tem uma barra de energia individual. Os Guardiões ganham energia quando estão perto dos outros Guardiães, e quando um Guardião atinge o máximo de energia, ele libera uma ataque muito nocivo para a raide. Cada Guardião tem a sua própria versão do ataque máximo de energia, estes ataques são chamados Overloads. Felizmente, a qualquer momento, um dos Guardiões é também uma proteção para a raide a partir do seu ataque máximo de energia, sob a forma de uma redução de 90% de dano que ataque.

Portanto, o objetivo principal do encontro é o de controlar a ordem em que os barras de energia dos Guardiões se  enchem, movendo-os para perto e longe de outros Guardiães, dependendo do Guardião está aplicando o debuff.

Alguns segundos depois de um Guardião usar seu ataque máximo de energia, um novo Guardião vai começar a aplicar o seu debuff, e é esse guardião que deverá chegar ao máximo de energia.

Esse ciclo continuará até você derrotar os guardiões.

Além disso, os Guardiões têm algumas habilidades nocivas, que nós também detalharemos.

Por fim, note que em 10-man e LFR, apenas 3 dos 4 Guardiões estarão ativos (que serão escolhidos aleatoriamente entre os quatro), enquanto que em 25-man todos os 4 estarão sempre ativos.

3.1.        Videos

Modo Normal

 

25 Pessoas Hc

 

4. Geração de energia

No modo normal, os guardiões são afetados por “Pedra Maciça”, que faz com que haja 90% de redução de dano, e não irá gerar qualquer energia. Esse buff é removido se um Guardião  entrar dentro de um raio de 12 metros de outro Guardião.

Enquanto um Guardião tem o efeito de “Pedra Maciça”, a sua energia atual diminui lentamente ao longo do tempo.

Quando estão dentro de 12 metros um do outro, os Guardiões geram energia a uma taxa de cerca de 1,7 por segundo, independentemente do que as ações de seu grupo tenha. Como mencionado acima, será o seu objetivo durante toda a luta,  mover  freqüentemente os Guardiões juntos e depois separados, a fim de controlar a sua geração de energia.

5. Habilidades

Além do “Pedra Maciça”, acima mencionado, todos os Guardiões têm uma habilidade chamada “Lacerar Carne”.”Lacerar Carne” é um efeito de sangramento que cada Guardião aplica em seu tanker. Tem a duração de 15 segundos e causa uma quantidade moderada de dano físico. Este efeito de sangria não se acumula. No geral, isto não é um problema.

Além disso, cada Guardião tem o seu próprio conjunto de três habilidades. Embora estes sejam diferentes para cada Guardião, eles podem ser facilmente categorizados como seguem (habilidades Ametista são utilizadas apenas pelo Guardião Ametista, e assim por diante).

“Poça Ametista”,” Mina de Cobalto”, “Estilhaços de Jade”, “Correntes de Jaspe” são habilidades nocivas. Ao longo da luta, os Guardiões vão regularmente tentar danificar um ou mais membros da raide com essas habilidades.

“Petrificação de Ametista”, “Petrificação de Cobalto”, “Petrificação de Jade” e “Petrificação de Jasper” são as habilidades petrificação que um (e apenas um) dos Guardiões vai usar por ciclo. Essas habilidades aplicarão um debuff de empilhamento para a raide (que toma a forma de uma barra de recursos que enche a 100). Se o Guardião conseguir stackar este debuff totalmente, a raide será paralisada. A petrificação é quebrada por sobrecarga do Guardião (explicado abaixo). Petrificação também reduz o dano causado por sobrecarga do Guardião respectivo. Por exemplo, “Petrificação de Ametista” só reduz os danos causados ​​por “sobrecarga de Ametista”, mas não os danos causados ​​por “sobrecarga de Cobalto”.

5.1.  Habilidades nocivas

“Poça Ametista” é lançado pelo Guardião de Ametista. Em uma zona vazia, colocado na posição de um membro aleatório da raide, o que causa dano Sombra por segundo a todos dentro dela. Ela dura 1 minuto e 20 segundos, e é lançada, aproximadamente, uma vez a cada 5-10 segundos.

“Mina de Cobalto” é lançado pelo Guardião de Cobalto. É um caco de cobalto lançado na localização de um membro aleatório da raide. Após 3 segundos, o fragmento se torna ativo, e qualquer jogador que ficar dentro de 7 metros causa a detonação, causando dano Arcano a todos os aliados dentro de 7 metros, também os enraizando por 6 segundos. Essa habilidade é lançada a cada 10 segundos.

“Estilhaço de Jade” é lançado pelo Guardião Jade. É um “estouro” amplo, causando uma pequena quantidade de dano de Natureza a todos os jogadores. Este feitiço é lançado a cada 10 segundos.

“Correntes de Jaspe” é lançado pelo Guardião de Jaspe. Faz a ligação entre dois membros da raid aleatórios (indicado graficamente por correntes). Se os dois jogadores têm mais de 10 metros de distância um do outro, a correntes causam dano de fogo a eles por segundo. O dano é aumentado em 15% (10% em LFR) para cada segundo que os dois jogadores têm mais de 10 metros de distância, e sendo mais de 10 metros de distância por 15 segundos remove as correntes. Note-se que este efeito é cumulativo, o que significa que você não precisa estar separado por 15 segundos contínuos, para cada segundo que você está distante você tem uma pilha de um debuff inofensivos, e ao stakar 15 pilhas, as correntes são quebradas. O feitiço é lançado, aproximadamente, a cada de 10 segundos.

5.2.   Petrificação

Petrificação é uma habilidade que os Guardiães possuem, mas apenas um dos Guardiões pode lançar sua habilidade de petrificação por vez. É um debuff de empilhamento (embora ele aparece na tela dos jogadores como uma barra de recursos distintos), que é aplicado sobre a raid inteira. “Petrificação” reduz a velocidade do alvo movimento em cada stack. Se o debuff atinge máximo, paralisa seus alvos.

• “Petrificação” tem uma capacidade máxima de 100 Stacks, e leva em torno de 80 segundos para que alcance a capacidade máxima.

• Petrificação é lançada pela primeira vez nos cinco primeiros segundos da luta, e novamente, 5 segundos após cada “Petrificação” terminar.

• Um Guardião aleatório é selecionado para lançar a “Petrificação” de cada vez, e o mesmo Guardião  não pode lançar “petrificação” duas vezes seguidas. Parece haver uma tendência para o Guardião com a menor energia ser escolhido para petrificar a raide, mas não podemos confirmar isso.

• Enquanto a “Petrificação” estiver stackando(empilhando) nos jogadores, eles levam 90% de dano reduzido da escola de danos pertencente ao Guardião respectivo.

◦ Petrificação de Ametista: Sombra;

◦ Petrificação de Cobalto: Arcano;

◦ Petrificação de Jade: Natureza;

◦ Petrificação de Jaspe: Fogo.

• Atingir Petrificação máxima só pode ser impedido pela sobrecarga do Guardião (veja abaixo), e não por sobrecarga de outro Guardião. Por exemplo, sobrecarga de cobalto não remove Petrificação de Ametista.

• Atingir Petrificação máxima faz com que todos os jogadores se tornem incapazes de se mover ou agir. Eles continuam de tomar dano, o que significa que sempre leva a um wipe.

É importante diferenciar entre os dois estados petrificação:

• O primeiro representa o fato de que um dos Guardiões está aplicando o debuff na raid, reduzindo o dano tomado de sua escola de dano.

• O segundo representa Petrificação na capacidade máxima, quando a raid fica atordoado. Este segundo efeito deve ser evitado sempre.

5.3.   Petrifiação

Sobrecarga é a habidade final dos Guardiões. Sobrecarga só é lançado quando um Guardião chega a 100 de energia. Trata-se de uma grande quantidade de dano da escola do Guardião, e a Petrificação é cancelada.

• Guardião de Ametista lança Sobrecarga de Ametista.

• Guardião de Cobalto lança Sobrecarga de Cobalto.

• Guardião de Jade lança Sobrecarga de Jade.

• Guardião de Jasper lança Sobrecarga de Jasper.

5 segundos após a sobrecarga a Petrificação é quebrada, uma nova Petrificação começa. Uma sobrecarga de um Guardião diferente do [guardião] que está atualmente petrificando a raid não terá efeito algum sobre a Petrificação.

6. Estratégia

A estratégia para derrotar A Sentinela Pétrea gira em torno de dois conceitos:

• Cada Guardião que lança Petrificação tem sobrecarga (chegar a de 100 energia) antes que ele acabe petrificando.

• Não permita que Sobrecargas de Petrificação ocorram sem o respectivo Guardião estar ativo. Por exemplo, sobrecarga de Ametista não deve acontecer sem a raid estar protegida pela Petrificação de Ametista.

Isto significa que os Guardiães deverão ser movidos frequentemente para perto e para longe um do outro, de tal forma que o Guardião petrificante fique sempre dentro de 12 metros de outro Guardião (de modo que ele ganhe energia, para a sobrecarga). Ao mesmo tempo, você deve minimizar a quantidade de energia dos Guardiões que não petrificando, girando cada um deles próximo ao Guardião petrificando.

Detalhamos a isso em uma seção dedicada.

6.1.  Posicionamento

Em 10 pessoas e FLR, você deve ter dois locais para tankar os Guardiões. Em um único local, o off-tank deve manter um Guardião que não está lançando petrificação, enquanto no outro, o seu tanker principal deve manter o Guardião petrificante em conjunto com o guardião de menor energia.

the-stone-guard-positioning-10m-lfr

Em 25 pessoas, você deve ter três locais para tankar. Isto irá permitir que você só tenha dois Guardiães (da ativa 4) quaisquer ganhando energia. Isto exige a utilização de três tankers.

the-stone-guard-positioning-25m

Os Guardiães só devem ficar mais do que 12 metros de distância para não ganhar energia, por isso é aconselhável não ter os dois locais para tankar muito longe.

O resto dos membros de sua raid deve ficar juntos, perto do centro da sala. Existem dois desafios de posicionamento importantes para os membros de sua raid.

• Os membros da Raid devem ser rápidos para sair da “poça de Ametista” sempre que ele gerar debaixo deles.

• Os membros da Raid devem ser rápidos para se afastar das “Minas de Cobalto”, quando são colocados ao lado deles.

Finalmente, as “correntes de Jaspe” também requer o movimento dos membros da raide afetados, que pode causar algumas interações com as habilidades acima referidas, embora não deva ser problemático.

Nenhuma das outras habilidades dos Guardiões colocam quaisquer problemas posicionais.

É importante ter em mente que, como pilhas (stacks) Petrificação aumentando, a velocidade de movimento é reduzida progressivamente. Isso faz com que se deslocam para fora “Poças de Ametista” ou longe das “Minas de Cobalto” mais dificilmente.

6.1.1.   Tauting e posicionamento

A geração de energia das Sentinelas Pétras é inteiramente determinado pelo seu posicionamento, é por isso que os tankers devem ter certeza de que a estratégia do encontro está sendo executada corretamente. Nós acreditamos que é ótimo, por várias razões, para os tankers permanecerem parados nas localizações pré-atribuídas para tankar, e simplesmente executar interruptores e taunt entre eles, sempre que um guardião deve ser movido.

Os tankers devem esperar, aproximadamente,  20 segundos para tauntar os Guardiões, que não é nem problemático em termos de tempo de recarga do taunting, nem em termos de retornos decrescentes do taunt.

Os locais para os tankers que nós fornecidos na seção anterior são aproximados, claro, já que os tankers, às vezes, devem mudar, devido à localização das “Poças de Ametista” ou de outras habilidades prejudiciais.

O guia original continua repetindo o que deve ser feito para derrotar as Sentinelas Pétreas e também como derrotar no modo heróico. Na Próxima semana, postarei a parte 2 do guia ^^

“An Karanir Thanagor, Mor Ok… Angalor”

(Vida longa ao rei, que ele reine… para sempre)

Bom jogo a todos^^

By Shar 😀

Reunião da guilda (20/01)

Sejam bem vindos Dragões a mais uma reunião da guilda xD

TFR6C63.tmp

Hoje a reunião foi realizada na taberna do fim do mundo em Shattrath as 22h00 (horário de Brasília), após o show da horda que foi realizado nesse mesmo local.

Nossa reunião foi iniciada pelo membro Viajante, que promoveu três grandes companheiros a Soldado Púrpura:

  • Satankhaos
  • Azmodian
  • Inclaus

TFR7F42.tmp

Após as promoções da noite, o rei Barenn logou e auxiliou o Viajante nas demais notificações, promoções e eventos da guilda. Após sua chega houve mais um promoção, Trollolloo foi promovido a Capitão Armeiro.

Parabéns a todos os membros promovidos e que daqui para frente seus feitos sejam ainda mais grandiosos ^^

TFR76C8.tmp

Foram marcados dois eventos para essa semana:

O primeiro, Ulduar na quarta-feira as 21h00 para que nossos membros completem as conquistas para a montaria.

O segundo, Alma Dragonica(DS) na sexta-feira as 21h00, será mais uma raide a ser incluída nas conquistas da guilda.

Não se esqueçam de registrar o(s) evento(s) que queiram participar.

TFR7511.tmp

“An  Karanir Thanagor”

Bom jogo e uma ótima semana a todos xD

By: Shar ^^